Carlos Lula na Paciência

“Paciência é uma virtude” é o velho ditado. Em nossa era moderna de acesso imediato e velocidade, paciência pode não ser algo que muitos de nós praticamos muito. Mas é uma das principais atitudes da atenção plena e precisamos reconhecer que desacelerar nossas mentes ocupadas requer prática. Segundo Carlos Lula , provavelmente todos já passamos pelo desafio de quebrar comportamentos persistentes e sabemos que os hábitos não mudam da noite para o dia, a mudança permanente leva tempo.

Como podemos nos envolver com paciência? Nossa cultura ocidental é baseada na velocidade, viajamos rápido, temos máquinas que nos ajudam a encontrar o caminho mais curto ou o mais rápido; temos fast food ou comida para viagem; trabalhamos com internet rápida, alta velocidade de 3G a 4G a 5G; temos acesso rápido às nossas contas bancárias e usamos transações instantâneas sem dinheiro para facilitar e agilizar; Temos tarefas domésticas rápidas, com automação e máquinas para limpar e lavar nossas casas e roupas, tudo para economizar tempo e esforço. Não somos encorajados a parar e gastar nosso tempo com qualquer coisa, então paciência não é algo que praticamos regularmente.

Leia mais em: Carlos Lula fala sobre Atitude

Uma das melhores maneiras de se envolver com paciência é observar o mundo natural. Existem muito poucas coisas no mundo natural que acontecem instantaneamente. Cultivar uma planta a partir de sementes é um excelente exemplo de paciência, pode ser uma experiência extremamente gratificante. Muitas pessoas acham que a interação com as plantas é uma atividade relaxante, jardinagem ou cultivo de alimentos nos ensina a esperar e observar. Interagir com a natureza simplesmente caminhando por ela também tem se mostrado benéfico. A atividade física na forma de uma caminhada de quarenta minutos na floresta está associada à melhora do humor e à sensação de saúde e robustez. Estudos têm sido feitos que mostram que ‘banho na floresta’ (estar na presença de árvores e bosques) reduziu os níveis do hormônio do estresse cortisol em indivíduos de teste após uma caminhada na floresta, quando comparados com um grupo de controle de indivíduos envolvidos em caminha dentro de um ambiente de laboratório. O banho na floresta parece mitigar significativamente a causa raiz de uma infinidade de doenças associadas ao estresse. Promove repouso, conserva energia e diminui a frequência cardíaca, enquanto aumenta a atividade intestinal e da glândula. Concentrações mais baixas de cortisol também são um sinal de que o sistema de resposta ao estresse do corpo está sendo menos acionado. Faça uma caminhada lenta na floresta, esteja ciente da linha do tempo das árvores, medida em vidas úteis para nós, talvez o máximo em nossa experiência de paciência.

Tirar um momento de nossas vidas ocupadas para arranjar tempo para se envolver com a natureza é uma maneira de incluir paciência em nossas vidas. A resposta que recebemos e os benefícios que recebemos podem não ser imediatos, mas os efeitos serão perceptíveis com o tempo. Qualquer oportunidade que aproveitamos para desacelerar e apenas observar o momento, nos impedindo de perseguir o futuro (o que pode nunca acontecer) é uma chance de praticar a paciência. Carlos Lula define que as práticas de Mindfulness nos estimulam a parar e focar em estarmos atentos ao presente, não desejando nosso tempo fora.

Junto com a pesquisa científica sobre ‘banhos na floresta’, a pesquisa também apóia a inclusão da paciência como um benefício da atenção plena à saúde. A virtude da paciência é que nos permite aceitar que o tempo tem que passar antes que os benefícios sejam alcançados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *