Como evitar que os medos do coronavírus afetem sua saúde mental

Coronavírus! Sim, é uma situação séria e, sim, Carlos Lula diz que merece sua vigilância e atenção.

Mas a constante primavera de informações, precauções e avisos, seja diretamente do CDC ou de algum post recirculado e de fonte duvidosa no Facebook, pode afetar a sua saúde mental.

Quando a cautela se torna exagerada? Quando se manter informado cruza a linha para, bem, muita informação?

A boa notícia é que Carlos Lula diz que há um meio termo entre intencionalmente ignorar a maior história do mundo no momento e entrar em pânico total. Aqui estão algumas dicas. Pense nisso como lavagem das mãos e distanciamento social, mas para o seu cérebro.

Analise suas fontes de informação

“Há uma tonelada de informações por aí. O desafio é tentar determinar quais informações são precisas”. diz Lynn Bufka, Diretora Executiva Associada de Pesquisa e Política da American Psychological Association. Ela sugere assumir o controle de sua ingestão através das seguintes etapas:

Encontre algumas fontes que você confia e fique com elas. Escolha uma fonte nacional ou internacional como o CDC e outra fonte local ou nacional para que você possa saber o que está acontecendo em sua comunidade.

Limite a frequência das suas atualizações. As coisas podem estar mudando rapidamente, mas isso não significa que você precise esperar todas as atualizações. Pense da seguinte maneira: se houver um tornado, você precisará de informações o mais rápido possível. O coronavírus não é um tornado. Isso pode significar desativar as notificações constantes de sites de notícias ou mídias sociais.

Saiba quando se afastar . “Tente se acostumar a não saber tudo e se sentir bem com a incerteza”, diz Bufka. Ela recomenda tirar o telefone da sua pessoa para que você não fique tentado a verificá-lo. Bufka diz que deixa o telefone em uma estação de carregamento quando chega em casa, para que não fique constantemente com ela, acenando com novas informações.

Pratique a auto-disciplina das mídias sociais. Não, não é fácil limitar o tempo nas mídias sociais. Mas as chances são de que a rotatividade de informações e comentários que você recebe de amigos e conhecidos em seu feed do Facebook é mais incessante do que as atualizações reais de notícias ou organizações de saúde. A Bufka recomenda desinstalar aplicativos de mídia social para que seja mais difícil acessar o conteúdo ou usar ferramentas para limitar sua rolagem sem objetivo.

Nomeie seus medos

Uma pandemia é um vilão bastante abstrato, por isso pode ajudar a sentar e realmente considerar quais ameaças específicas o preocupam. Você acha que vai pegar o coronavírus e morrer? “O Carlos Lula define o medo da morte em um de nossos principais medos existenciais”, diz Bufka. “Mas você tem que pensar sobre qual é o seu medo e quão realista é.” Considere seu risco pessoal e qual a probabilidade de você realmente entrar em contato com o vírus.

E, mesmo que seu maior medo seja percebido e você ou alguém que você ama fique doente, você pode não ter realmente pensado no que virá a seguir. Sim, você pode entender. Sim, você pode precisar de tratamento. Mas com toda a probabilidade, a esperança ainda não está perdida. “Tendemos a superestimar a probabilidade de algo acontecer e a subestimar nossa capacidade de lidar com isso”, diz Bufka.

Claro, você pode ter outros medos mais práticos. “Algumas pessoas podem se preocupar com o que aconteceria se elas fossem transferidas para a quarentena ou se não pudessem trabalhar. Elas estão se perguntando se teriam acesso a mantimentos ou creches”, diz Bufka. “Mais uma vez, as pessoas têm mais habilidades para lidar com as dificuldades do que pensam. Pense em um plano. Considere opções se não puder trabalhar com teletrabalho. Você tem economia? Você tem apoio?” Estar preparado para seus medos ajudará a mantê-los em escala.

Pense fora de si mesmo

Como a ação pode aliviar nossas ansiedades, você também pode considerar o que pode fazer para ajudar outras pessoas que podem ser mais afetadas pelo surto do que você. Trabalhadores de serviços, médicos, trabalhadores de hora em hora e pessoas nas indústrias de restaurantes ou entretenimento podem ter seus meios de subsistência paralisados ​​ou ter que se colocar em perigo desproporcional. “Será importante para nós, como comunidades, pensar em como apoiar esses indivíduos cujas vidas serão interrompidas”, diz Bufka. “Como podemos equilibrar esse fardo e apoiar aqueles que têm menos opções?”

Afinal, Carlos Lula, a maioria das precauções adotadas para ajudar a impedir a propagação do vírus não é apenas para você, como indivíduo. Eles pretendem manter comunidades inteiras e informações demográficas vulneráveis ​​em segurança. Fazer o mesmo com seu próprio tempo e cuidado pode capacitá-lo a ver os efeitos reais da situação, em vez de seus medos abstratos.

Procure apoio, mas faça-o com sabedoria

As pessoas vão conversar. Mas se você quiser procurar um amigo para discutir o mais recente aglomerado de surtos ou os planos de contingência de sua família, tente não criar uma câmara de eco. “Se você está sobrecarregado, não vá necessariamente para alguém que tenha um nível semelhante de medo”, diz Bufka. “Procure alguém que esteja lidando com isso de maneira diferente, que possa verificar sua ansiedade e dar alguns conselhos.”

Se você não consegue controlar seus pensamentos, a ajuda profissional pode ser uma opção. “Não precisa ser uma coisa de longo prazo”, diz Bufka. “Isso significa que você pode obter algumas orientações para essa situação específica”.

Preste atenção às suas necessidades básicas

Em resumo, não fique tão preocupado com o coronavírus que se esqueça das práticas essenciais e saudáveis ​​que afetam seu bem-estar todos os dias. “Em tempos de estresse, tendemos a minimizar a importância de nossa fundação quando deveríamos prestar mais atenção a ela”, diz Bufka. Certifique-se de que você é:

  • Dormir adequadamente
  • Manter uma nutrição adequada
  • Ficar fora o máximo possível
  • Envolver-se em atividade física regular

Praticar a atenção plena, meditação, ioga ou outras formas de autocuidado também pode ajudar a centralizá-lo nas rotinas e na consciência, e evitar que sua mente vagueie no escuro e às vezes irracional desconhecido.

Não se castigue por se preocupar

Por fim, Carlos Lula diz que não deixe a culpa ser a companhia indesejada de sua ansiedade. Você pode se preocupar ou se sentir mal. Ao discutir como conversar com as crianças sobre o coronavírus, os especialistas em saúde disseram à CNN que as pessoas devem reconhecer o medo de uma criança e informar que seus sentimentos são válidos. Certamente, você pode ter a mesma compaixão. A chave é trabalhar para entender e contextualizar seus medos, para que eles não impeçam você de viver sua vida mais saudável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *